top of page
Buscar
  • Foto do escritorComunicação BH-TEC

A cada 5 cidades mineiras, 3 possuem grau alto, muito alto ou extremo de vulnerabilidade climática

Carros submersos no Rio Grande do Sul
Tragédia no Rio Grande do Sul evidenciou a urgência da agenda climática | Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O desastre no Rio Grande do Sul escancarou o que ainda temos dificuldade em enfrentar: as mudanças climáticas e, especialmente, os efeitos causados por isso. Como está Minas Gerais nesse cenário? O povo mineiro está em risco? Levantamento publicado nesta semana revela: 62% dos territórios têm grau alto, muito alto ou extremo de vulnerabilidade.


Assustador, não é mesmo?! Você pode conferir quais municípios estão nessa situação e como está a sua cidade, a sua cidade da sua família etc. Trata-se do Índice Mineiro de Vulnerabilidade Climática (IMVC), cujo lançamento ocorreu nesta semana e os detalhes serão revelados nesta sexta-feira (7), em palestra gratuita no BH-TEC.



Para participar, basta garantir a sua inscrição gratuita no Sympla - é de graça, mas o auditório do BH-TEC tem capacidade limitada (clique AQUI). O índice será detalhado pela Renata Maria de Araújo, superintendente de Qualidade Ambiental e Mudanças Climáticas da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).


O debate ainda contará com a participação de Gustavo Pinheiro, que acumula mais de 20 anos de experiência na agenda da economia para o clima, desenvolvimento sustentável, meio ambiente e direitos humanos.

Estrada alagada no Rio Grande do Sul
Via em Pelotas alagada: Minas está em risco: | Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Estamos em risco?


A superintendente vai detalhar todas as ações na agenda climática de Minas Gerais desde 2005. Entre as ferramentas desenvolvidas pelo governo mineiro está justamente o IMVC, lançado em 2014, a partir de uma parceria com o governo francês, e atualizada esta semana.



“O índice traz um panorama geral sobre todas as regiões de Minas e, por município, é possível consultar e identificar qual é a suscetibilidade daquele município às mudanças climáticas. A gente associa três indicadores principais: o nível de exposição, a sensibilidade do município e a gente usa como quociente dessa soma a capacidade de adaptação, que está muito voltada para o eixo da resiliência municipal”, antecipa Renata Araújo.

Carros em pátio da polícia submersos após chuvas no Rio Grande do Sul
Pátio da PRF em Pelotas (RS) com os veículos submersos | Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Em 2014, o mesmo índice apontava que 52% dos municípios mineiros possuíam índice alto, muito alto ou extremo de vulnerabilidade climática.


“Dez anos depois, esse percentual aumentou para 62%. E esse aumento ocorreu por quê? Porque a questão climática é transfronteiriça: ou seja, por mais que cada estado tenha sua política pública, as ações têm que ser coletivas, nacionais, têm que ser globais”, afirma.


Dano irreversível


O IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) identifica o que não gostaríamos de ouvir: eventos climáticos registrados no planeta são irreversíveis.


“Nesse aspecto, se eu não consigo mais reduzir o nível de aquecimento global e eu não consigo mais atuar para evitar que outros eventos climáticos aconteçam, a solução é buscar uma resiliência maior para o território”, esclarece a especialista.


Os detalhes sobre essa resiliência e tantos outros temas, como, por exemplo, o pioneiro Plano de Ação Climática mineiro, serão compartilhados nesta sexta-feira, no Sexta no Parque, no auditório do BH-TEC.


“Para entender muito mais sobre as mudanças climáticas, a ideia desse Sexta no Parque é trazer a discussão com o foco em Minas Gerais, colocar a lupa no nosso estado. Vai ser um momento muito rico - e urgente”, reforça a Head de Sustentabilidade do BH-TEC, Camila Viana.


O debate será mediado pelo CEO do Parque, Marco Crocco.


Sexta no Parque: Mudanças Climáticas


Quando? Sexta-feira, 7 de junho

Que horas? A partir das 9h30

Onde? Auditório do BH-TEC

Endereço? Rua Professor José Vieira de Mendonça, 770 - Engenho Nogueira


Programação?


9h30: Boas-vindas com lanche

10h: Início da mesa redonda com mediação de Marco Crocco

11h30: Interação com o público

12h: Encerramento com almoço no Restaurante Terraço (não incluído)

51 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page