top of page
Buscar
  • Foto do escritorComunicação BH-TEC

BH-TEC tem novo reforço: a Nano Brasil, o Hub da Nanotecnologia na América Latina


Fachada da sede da Nano Brasil no BH-TEC
Nano Brasil abre as portas, em solo nacional, para o que tem de mais inovador no mundo | Nano Brasil/Divulgação

Um hub sediado no BH-TEC, o Parque Tecnológico de Belo Horizonte, responsável por identificar, mundo afora, desenvolvimentos avançados em nanotecnologia para aplicar no mercado brasileiro.


Essa é a Nano Brasil, que já conta com parceiros pela América Latina e vai inaugurar uma fábrica em solo brasileiro com capacidade inicial de produção de 5 mil quilos de nanopartículas de cobre por mês - o que não existe atualmente.


"Uma coisa é ter a produção de uma nanopartícula, já escalar essa produção tem uma outra complexidade. Desconhecemos a existência de outra empresa no mundo que tem uma produção escalável de nanopartícula de cobre", afirma o co-fundador e CEO da Nano Brasil, Lucio Coelho.


Por que nanotecnologia?


A resposta é simples: é a ciência que busca desenvolvimentos e soluções sem agredir os recursos naturais e a própria saúde humana.


Ou seja, a nanotecnologia elabora novos materiais a partir da organização dos átomos e moléculas da maneira desejada, criando estruturas melhores.


"Queremos substituir produtos químicos danosos por nanopartículas que vão desempenhar esse papel com mais eficácia e menos riscos à saúde", resume Lucio Coelho.


Estrutura da Nano Brasil no BH-TEC
O Hub da Nanotecnologia agora está no BH-TEC | Nano Brasil/Divulgação

E as aplicações vão desde soluções para construções, polímeros, tintas e até mesmo remédios e cosméticos.


"Estamos trazendo soluções cosméticas e nutracêuticas em lipossomas nanoencapsuladas e transferindo tecnologia de produção de medicamentos de alta complexidade, que apresentam absorção mais eficaz e segura que os produtos atualmente utilizados", complementa o CEO.


Mais puro, menos agressão


Um exemplo dos ganhos da nanotecnologia é o nanocálcio. "No Brasil, o cálcio vem do calcário. Em média, o calcário possui 13% de cálcio, e pode vir muito associado a outros minerais não desejáveis", explica o co-fundador e CCO, Oscar Geigner.


"Já o nanocálcio da NanoBrasil é produzido a partir da casca de ovo, que possui uma média de 30% de cálcio e ainda vem com um componente orgânico, o carbono, importante nos processos em que são utilizados", complementa.


No agro, situação semelhante. O cobre é usado como defensivo, calda bordalesa e afins. O uso é essencial, mas o volume é enorme: bilhões de tonelada por ano em todo o planeta.


O que ocorre? "Como se aplica muito, pode contaminar, por exemplo, o lençol freático. Com o nanocobre, essa quantidade despenca. Em uma cultura, testada por um cliente nosso por exemplo, usaram 10 vezes menos a quantidade e a potência foi 70 vezes superior", diz o CEO da Nano Brasil.


O Hub da América Latina


A Nano Brasil chegou ao BH-TEC neste ano e já vai inaugurar um laboratório dentro do Parque.


"O laboratório serve para ajudar nossos clientes a incorporar a tecnologia. Pouco se entende no Brasil sobre tecnologia: trouxemos expertise de 13, 14 anos acumulada no exterior", reforça Oscar Geigner.

Sala da Nano Brasil
Nano Brasil possui técnicos em Farmácia e Química e, em breve, terá laboratório próprio | Nano Brasil/Divulgação

A equipe conta com estudiosos acadêmicos em Química e Farmácia. E já tem braços na Argentina e no Chile.


No país chileno, a parceria é com a Nanotec, uma das únicas empresas no mundo que desenvolve nanopartículas em escala industrial.


"Já estamos viabilizando desenvolvimentos aqui no Brasil com clientes diversos, através dessa parceria: nanozinco, nanodióxido de titânio, nanoboro, nanofosfóro", afirma o CCO da Nano Brasil.


É justamente pelo sucesso da empreitada que a fábrica será construída no Brasil. "Em sociedade com a Nanotec, estamos criando a NanotecLatam. Vamos produzir com exclusividade para toda a América Latina. As obras começam já este ano", diz Oscar.


De remédios a cosméticos


Já a parceria na Argentina é com Lipomize, voltada para a área da saúde, com linhas para nutrição, vitamina, nanocosméticos e fármacos.


São os lipossomas nanoencapsulados.


"Lipossomas são como uma gordurinha (lipídeos) que temos no corpo. A tecnologia encapsula o princípio ativo, que permite uma absorção controlada, pela pele", explica Lucio Coelho.


A Nano Brasil negocia transferência de tecnologia de medicamentos oncológicos, por exemplo, para laboratórios farmacêuticos brasileiros, além dos princípios ativos para a comercialização dos produtos dermocosméticos e de nutrição.

174 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page