top of page
Buscar
  • Foto do escritorComunicação BH-TEC

Comunidade BH-TEC agradece trabalho heroico da Brigada 1 e colaboradores

Atualizado: 3 de out. de 2023


Fogo na mata dentro da área do BH-TEC
Trabalho de voluntários da Brigada conteve o avanço do fogo | Brigada 1/Divulgação

Às 12h30 da última segunda-feira (25) começava o maior incêndio já registrado na mata da área do Parque Tecnológico de Belo Horizonte. A fumaça forçou, ainda no primeiro dia, a evacuação do prédio do BH-TEC, também de forma inédita.


Às 18h de quinta-feira, portanto, quase 80 horas depois, o incêndio foi dado como debelado - e poderia ter durado muito mais. O trabalho heroico de dezenas de brigadistas voluntários, com o apoio do Corpo de Bombeiros e de colaboradores do BH-TEC, evitou que o fogo se espalhasse e o estrago fosse maior.

Cenas do combate ao fogo na área do BH-TEC
Brigadistas trabalharam de forma árdua e inteligente para debelar fogo histórico | Brigada 1/Divulgação

Força do fogo


O primeiro foco apareceu na hora do almoço de segunda-feira na mata próxima à avenida Carlos Luz, popularmente chamada de Catalão. Pouco depois, outro foco em ponto diferente: desta vez, na vegetação próxima ao Anel Rodoviário.


Segundo os bombeiros e brigadistas, o início do fogo foi ocasionado por alguém, de forma acidental ou intencional.


"Pelos registros, foi o maior incêndio já registrado na área", afirma Vinícius Matos Batista, servidor da Estação Ecológica da UFMG (EECO) e diretor financeiro/brigadista voluntário da Brigada 1.

Fogo consome mata dentro da área do BH-TEC
Tempo seco proporcionou que fogo se alastrasse | Brigada 1/Divulgação

Mobilização


Além da mobilização ininterrupta dos voluntários da Brigada 1 (leia mais sobre a entidade abaixo), o combate ao fogo na mata contou com os seguintes apoios:


  • funcionários do BH-TEC

  • funcionário da UFMG

  • Corpo de Bombeiros Militar

  • Brigada Carcará de Brumadinho

  • brigadistas do IEF (Instituto Estadual de Florestas), com caminhonete

  • brigadistas da Brigada Voluntária do Cipó, de Santana do Riacho

  • brigadista do ICMBio, com caminhonete

  • caminhões-pipa e outros veículos da UFMG, como motos e retroescavadeira

Às 18h de quinta-feira (28), com o trabalho dos brigadistas e outros apoios, além da virada de tempo na região (chuva e aumento da umidade do ar), o histórico incêndio foi dado como debelado.

Montagem com brigadistas trabalhando e estrago após incêndio
Após trabalho de rescaldo, fogo foi dado com extinto | Brigada 1/Divulgação

No combate, foram usados EPIs (Equipamento de Proteção Individual), gandola (casaco de proteção), blaclava (touca de proteção), luvas, abafadores, foices, enxadas e facões.


Brigada 1


Afinal, o que é a Brigada 1, responsável por evitar um estrago ainda maior na área de proteção do BH-TEC e da UFMG?


"É uma entidade civil sem fins lucrativos fundada em 2003, portanto, que completa 20 anos neste ano. Atualmente, conta com cerca de 300 voluntários interessados em contribuir na redução dos impactos gerados pelos incêndios florestais", explica a vice-presidente da Brigada 1, Ana Carina Roque.


A entidade possui sete núcleos em Minas Gerais:

  • Belo Horizonte

  • Ouro Preto

  • São João del-Rei

  • Montes Claros

  • Mateus Leme

  • Pará de Minas

  • Pequi

"A Brigada 1 atua na área da natureza social, de defesa e preservação do meio ambiente, tendo como objetivos incentivar e apoiar a preservação e a melhoria do meio ambiente, a prevenção e o combate aos incêndios florestais em todo o território nacional", reforça Ana, que também é servidora da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica, bióloga e educadora ambiental.


A B1, como a Brigada 1 é chamada, atua em unidades de conservação diversas. Apenas no núcleo Belo Horizonte são as seguintes:

  • Parque das Mangabeiras

  • Parque da Serra do Curral

  • Parque Estadual da Serra do Rola Moça

  • Parque Estadual do Sumidouro

  • Parque Estadual Mata da Baleia

  • Parque Estadual Serra Verde

  • Parque Nacional da Serra do Cipó

  • Parque Nacional da Serra da Gandarela

Além de áreas de relevância ambiental, como a Estação Ecológica da UFMG, Cercadinho, Serra do Caraça, entre outras.


Apoie a B1


O incêndio histórico na mata da área do BH-TEC não é por acaso: setembro e outubro são os meses mais críticos. "Esses meses constituem um período de intenso calor e baixa umidade, os meses mais críticos para os incêndios florestais no Sudeste do Brasil", afirma Ana Carina Roque.


Com é uma entidade formada por voluntários, toda ajuda é bem-vinda.

Brigadistas posam após combate ao fogo na área do BH-TEC
Voluntários da B1 trabalharam arduamente no combate ao fogo na área do BH-TEC | Brigada 1/Divulgação

"Estamos fazendo uma campanha para a arrecadação de valores para que possamos comprar água, fruta, isotônico, barras de cereal e outros alimentos para dar suporte e energia aos combatentes que estão diretamente enfrentando as chamas e incêndios florestais", afirma a vice-presidente da B1.


O PIX da entidade é belohorizonte@brigada1.org.br.


Além de alimentos, eles precisam comprar uniformes, EPIs e equipamentos. Lembra quantos equipamentos precisaram ser mobilizados para combater o incêndio na mata do BH-TEC?


"Todos, todas e todes são muito bem-vindos à B1: faça parte e seja um brigadista florestal voluntário, apoie a nossa causa e divulgue o nosso trabalho, nos acompanhe: www.brigada1.org.br e @brigada1.bh no Instagram", convida Ana.


"A Brigada I, por ser uma instituição totalmente voluntária, valoriza a diversidade de habilidades, conhecimentos, vivências e experiências entre os seus associados, já que, para alcançar os seus objetivos, além dos combates aos incêndios florestais, outras atividades também são muito importantes, como, por exemplo, ações de educação ambiental, apoio logístico, captação de recursos, escritas de projetos, organização de documentos e banco de dados, tecnologia da informação, mídias sociais, dentre outras", finaliza.

142 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page