top of page
Buscar
  • Foto do escritorComunicação BH-TEC

Dia do Agricultor marca 'uma das tecnologias mais disruptivas do agronegócio'


Agricultor tem data comemorativa desde 1960 | Crédito: Pixabay

No dia em que é celebrado o Dia do Agricultor, neste 28 de julho, o BH-TEC ressalta a importância desse trabalhador essencial para o mundo e revela um dado que provavelmente você não sabia: uma tecnologia inovadora - e até fascinante - que promete repaginar o agronegócio foi desenvolvida por empresa daqui, do Parque.


Vamos contar essa história pra você!


Antes, contextualizar esse primeiro parágrafo. Quando exaltamos a importância do agricultor para o mundo não é um exagero! O Brasil alimenta 10% da produção com a produção de grãos, segundo a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária).


A importância do agricultor não é de hoje! A data comemorativa foi instituída no dia 28 de julho de 1960, pelo então presidente Juscelino Kubitscheck com o objetivo de comemorar os 100 anos do Ministério da Agricultura, criado pelo imperador D. Pedro II.


Certo... e a tal tecnologia fascinante?


Você conhece o agrotóxico, certo?! Agora imagine um fungicida que não é tóxico - e mais: se, por acaso, cair nos olhos humanos, não faz mal algum!


“Criamos uma plataforma de produtos baseados em nióbio e, dentro desses estudos, começamos a observar a ação microbicida deles. E vimos que combatiam não só vírus, como bactérias e fungos”, afirma Luiz Carlos Oliveira, sócio-fundador da Nanonib e professor do departamento de Química da UFMG.



Professor Luiz Carlos Oliveira | Crédito: Arquivo pessoal

Os pesquisadores observaram a potencialidade desses compostos aplicados na agropecuária e, dessa forma, desenvolveram "uma das maiores tecnologias do agronegócio", conforme Oliveira define: produtos químicos como fungicidas não tóxicos e com insumos nacionais.


Produtos nacionais para o agronegócio


“Todas as culturas - como milho, trigo, café, soja - usam fungicidas, moléculas tóxicas importadas. O nosso produto não só é de tecnologia totalmente brasileira, como todos os estudos indicaram que eles não são tóxicos”, garante o professor da UFMG.


Sabe qual foi um dos motivadores para o desenvolvimento da tecnologia?


“Uma das coisas que nos motivou foi o período da pandemia. A gente ficou muito dependente de tecnologias externas, importação e, então, pensamos: 'e se acontece algo assim no agronegócio brasileiro? Vamos depender de fungicidas, insumos, defensivos importados?' Então isso nos motivou a desenvolver uma tecnologia nossa”, contextualiza Oliveira.


Agricultor mais seguro


Além de combater uma das maiores preocupações dos produtores de soja - principal exportação do Brasil -, a "Ferrugem-asiática", uma doença que pode causar perda de até 90% da produção, os compostos contribuem para a segurança dos trabalhadores que realizam a aplicação.


Lembra do 'agrotóxico' que pode espirrar nos olhos? 🧐


“Fizemos teste clínico de irritação ocular e não deu nenhum problema. Se cair no olho das pessoas, não tem problema - além dos estudos de irritação dérmica. Segundo o relato de um parceiro nosso da Embrapa, ele confirmou que, com resultados em campo, talvez seja uma das maiores tecnologias disruptivas do agronegócio”, afirma Luiz Carlos Oliveira.

28 visualizações0 comentário
bottom of page